A Computação antes dos Sistemas Operacionais

Já vimos na aula passada – Fundamentos de Informática – Sistemas Operacionais – os conceitos principais deste importante recurso computacional. É graças a ele que a computação é amigável ao ser humano, mas nem sempre foi assim.

Os primeiros computadores de 1950 eram gigantescos e tinha a única função de fazer cálculos, eles ocupavam salas enormes e não possuíam qualquer interface gráfica que o usuário pudesse controlar. Todas as instruções dos computadores eram programadas diretamente no hardware, ou seja, era necessário ser um bom programador e um bom engenheiro de eletrônica para poder dominar estes gigantes.

Em geral, um engenheiro responsável fazia o computador funcionar através de um conjunto de chaves que dependendo da sua combinação o computador executava uma ação. Quem operava os computadores em geral eram as mulheres, sendo a maioria delas da Aeronáutica americana. 

O grande problema deste cenário é que o computador só era capaz de executar um único cálculo para a qual foi programador e toda vez que fosse necessário executar um cálculo diferente, ou fazer um pequeno ajuste no programa de chaves, tudo que foi programado anteriormente era perdido.

Com o surgimento das primeiras linguagens de programação, tornou-se possível criar softwares com interface gráfica, embora rudimentares se comparadas aos dias atuais, ainda assim era um grande avanço para a época.

A necessidade de se criar linguagens de programação para programar máquinas substitui gradativamente o uso de chaves elétricas existentes nos computadores gigantescos e isso permitiu também a construções de computadores menores.

O grande ápice da computação foi a linguagem C, que permite programar o hardware da máquina e também oferecer uma interface amigável para o usuário. A linguagem C surgiu da necessidade de tentar fazer uma máquina se comunicar com outra, isso exigia que o computador fosse multitarefa, ou seja, pudesse executar mais de um programa ao mesmo tempo.

Unix

Antes do Unix, existiram outros sistemas operacionais, mas o UNIX tem um destaque importante nesta história e é conhecido como o “pai dos sistemas operacionais”.

Em 1960, engenheiros da  AT&T Bell Labs (empresa criada por Alexander Graham Bell, o inventor do Telefone que soube ganhar muito dinheiro com a sua invenção) ficaram responsáveis por otimizar as centrais telefônicas dos Estados Unidos. Estas centrais eram operadas manualmente, aonde a ligação somente era estabelecida quando uma funcionária fazia uma combinação de linhas.

A ideia era substituir as mulheres que operavam as centrais por computadores capazes de fazer tais combinações de forma automatizada. A necessidade de se criar um computador capaz de executar vários processos ao mesmo tempo deu origem a linguagem B, que depois com os devidos upgrades passou a se chamar linguagem C.

O UNIX foi o sistema operacional criado para gerenciar os computadores das Centrais Telefônicas. O grande desafio foi treinar pessoas para trabalhar nele. Os executivos da  AT&T Bell Labs resolveram distribuir o UNIX para universidades e de cara capacitaram os professores universitários a programar e ensinar C para seus alunos.

Logo, muitas coisas novas foram desenvolvidas com o UNIX, o fato dele ser multitarefa permitia a comunicação entre dois computadores e isso deu origem posteriormente as redes de computadores.

Ao final da década de 80, o UNIX ganhou uma interface gráfica o que inspirou outros sistemas operacionais. O UNIX existe até hoje e ele era gratuito apenas no início, após ele se popularizar se tornou um sistema proprietário, ou seja, fechado e que ninguém podia mais modificá-lo a não ser os próprios autores e é necessário comprar uma licença de uso.

BSD – A alternativa livre ao UNIX.

O fato do UNIX se tornar proprietário deixou alguns estudantes bem incomodados, afinal foi uma estratégia desleal aos olhos de muitos. Em 1977, alguns estudantes e pesquisadores da Universidade de Berkeley pegaram a última versão gratuita do UNIX, cujo o código fonte ainda era aberto e criaram uma versão gratuita denominada de BSD – Berkeley Software Distribution e seu objetivo era ser executado em computadores de grande porte.

Posteriormente o BSD também teve seu código fechado, mas logo voltou a ser livre e gratuito haja vista que esta decisão de o manter fechado não fazia muito sentido. Este sistema inspirou outros sistemas livres e gratuitos, como FreeBSD existente até hoje o NetBSD.

Sistemas baseados em Disk Operating System (DOS)

Ainda no final da década de 70, ter um disco rígido era ostentação para muito pois na época era o componente mais caro de um computador.

Técnico fazendo limpeza periódica em um HD, eles eram gigantescos e necessitam ser limpos com frequência, uma única partícula de poeira podia prejudicar toda a leitura do disco e causar grandes prejuízos as empresas.

 

Isso incentivou a criação de computadores pessoais, o famoso PC – Personal Computer, no qual o armazenamento em disco era substituído por disquetes magnéticos de 8 polegadas.

Os computadores pessoais tinham duas entradas de disquetes, um contendo o sistema operacional e outro para você executar seus programas que ficavam gravados em um segundo disquete.

Apple II – O computador de Steve Jobs e steve wozniak de 1978

 

As ausências dos HDs diminuíram significativamente o tamanho dos computadores e permitiram que eles pudessem ser usados sobre uma mesa da sua casa ou escritório.

Estes computadores pessoais executavam então sistemas instalados diretamente nos discos magnéticos destes disquetes, a Apple foi a pioneira com seu sistema Apple DOS, em seguida veio a Atari (se engana em pensar que a Atari fazia apenas vídeogames) e a Microsoft tentou entrar no mercado com um sistema baseado no UNIX, denominado de XENIX e posteriormente a Microsoft vendeu o XENIX e comprou o 86-DOS, que mais tarde foi modificado para MS-DOS, o tão aclamado MS-DOS até nos dias de hoje pode ser executado no Windows 10 pelo prompt de comando.

A Microsoft então ficou milionária quando a IBM resolveu usar o MS DOS em seus computadores pessoais. A IBM era uma gigante e tinha grandes empresas e governos em sua carteira de clientes, enquanto a Apple focava em usuários caseiros, a IBM se esforçava para colocar seu PCs em todos os escritórios e empresas do mundo.

Pilot Xerox, Lisa OS e Mac OS

A XEROX, em 1981, era uma empresa focada em pesquisas e desenvolvia componentes para computadores. Enquanto Apple e MS focavam em criar softwares a XEROX focava em desenvolver hardware, mas também mantinha em segredo várias outras pesquisas e uma delas era o Pilot, Em 1981 lançaram o Pilot, o primeiro sistema operacional com interface gráfica.

O lançamento do PILOT contava com um acessório novo, o mouse. O sistema Pilot não teve sucesso comercial, afinal, a XEROX definitivamente não estava muito focada em vender PCs e acabou perdendo a vez para Apple, que rapidamente copiou sua ideia; sistema com interface gráfica e comandos por mouse.

Em 1983 a Apple lança o LISA OS.

O MAC OS, também da Apple, veio em 1984 no lançamento do Macintosh com o intuito de facilitar ainda mais a usabilidade do sistema. Praticamente todos os comandos do sistema passaram a ser executados pelo mouse.

Steve Jobs era o próprio garoto propaganda do aclamado Macintosh da Apple.

 

MINIX e LINUX

Em 1987 Andrew S. Tanenbaum lançou um sistema simplificado para fins educacionais baseado no UNIX. Em 1991 Linus Torvalds adaptou o MINIX e deu mais recursos para ele e batizou seu sistema de LINUX e o manteve aberto e gratuito. 

O Linux tem como peculiaridade de não ser um sistema operacional completo, ele é apenas um kernel, ou seja, trata apenas os itens mais essenciais de um sistema como gerenciamento de arquivos, memória e processos. Todos os demais recursos foram emprestados de um outro sistema denominado GNU, outro projeto baseado em UNIX mas que já tinha vários softwares importantes e úteis já implementados e incluía também uma interface gráfica denominada GNOME. Linus pegou emprestado estes softwares, já que eram livre e gratuitos e implementou em seu kernel. Muitos preferem denominar o sistema como GNU/Linux ao invés de Linux por achar sensato o entendimento que sem o GNU, Linus não teria tanto sucesso com o seu sistema.

Hoje, o Linux é a melhor alternativa aos sistemas Windows e Mac, mas ainda assim sofre um pouco de preconceito por parte de usuários caseiros, mas quando o assunto é servidores, o Linux detêm cerca de 70% dos servidores de todo o mundo, 83% das grandes empresas do mundo utilizam o Linux em algum serviço de rede e 91% dos super computadores do mundo, incluindo do Colisor de Hádrons também executam algum sistema com kernel Linux.

O Colisor de Hádrons, o controle aéreo Estados Unidos, carros autônomos, smartphones com Android, sensores de Tsunamis espalhados pelo mundo, o sistema operacional estatal da Coreia do Norte (Red Star OS), Submarinos Nucleares, a NASA e é claro o Blogson, todo eles usam algum sistema rodando o kernel Linux.

Isso porque o fato de ser baseado no UNIX o torna um sistema poderoso e o fato de ser gratuito e seguro acaba sendo a melhor opção para empresas que economizam com sistema e investem em hardware.

O fato do Linux ser apenas o Kernel, permitiu que vários outros sistemas surgissem, estes sistemas são denominados de distro (distribuições Linux). O site Distro Watch mostra o ranking de download e instalações. De todas as distros, a que eu mais gosto é Linux Mint, e para servidores, eu prefiro o CentOS.

Windows

Deixei o Windows para o final, trata-se do sistema operacional mais popular do mundo, com 91% de usuários Desktop. Conforme já citado acima, a Microsoft ficou milionária a fazer parceria com a IBM, a IBM vendia computadores e a MS fornecia seu sistema MS DOS.

O nome Windows foi originado do PILOT da XEROX que fazia uma referência a janelas e seu registro como marca foi bem complicado haja vista que se trata de uma palavra do cotidiano. A primeira versão do Windows surgiu em 1985 como concorrência ao Macintosh da Apple. A Apple já fazia muito sucesso com seu sistema Lisa OS e Mac OS enquanto a Microsoft ainda usava linhas de comandos do MS DOS.

A versão 1.0 da MS foi lançada às pressas, sem muitos testes e de imediato muitas falhas do sistema assustaram seus usuários, logo no ano seguinte foi lançado o Windows 2.0 com breves correções nos meses seguintes com o lançamento do Windows 2.1.

Mas o que trouxe a Microsoft de volta ao topo foi o lançamento do Windows 3 em 1990 que até hoje possui usuários saudosos.

O Windows NT de 1993 foi uma tentativa da Microsoft de ganhar uma fatia de mercado dominado pelo Unix, tratava-se de um sistema voltado especificamente para serviços de rede. Posteriormente em 2000 foi substituído pelo Windows 2000 e em 2003 deu lugar ao sofisticado Windows Server.

Com a popularidade do Windows 3.0, Bill Gates e sua equipe se entusiasmaram e lançaram em 1995 o Windows 95 antes mesmo do previsto, isso porque em 1995 estava acontecendo a bolha da internet e a MS achou vantajoso fazer o lançamento naquele momento, porém, um lançamento desastroso com um sistema cheio de bugs.

Em 1998 saiu o que seria a versão corrigida do Windows 95, denominado é claro de Windows 98 ainda com algumas falhas, mas que de novo colocou a Microsoft no topo das empresas mais ricas do mundo.

O Windows XP de 2001 foi outro grande marco, no qual uma nova interface visual e novo padrão de usabilidade foi apresentado pela Microsoft. O Windows XP era um sistema tímido mas que tinha uma boa performance dentro de redes locais que possuíam servidores Windows Server 2003 ou Linux e novamente ganhou a aceitação rápida de seus usuários, embora também apresentasse eventuais falhas.

O Windows Vista apareceu em 2006 como substituto do Windows XP, muitos usuários preferiram voltar para o Windows XP por ser mais confiável e isso fez com que a Microsoft rapidamente lançasse o Windows 7 em 2009 para atenuar o descontentamento de seus clientes com o Vista.

O Windows 7 foi o sistema com maior tempo de vida da Microsoft, tendo a aceitação da maioria de seus usuários, com preço acessível e com atualizações constantes. Somente em 2015 a Microsoft lançou o atual Windows 10.