preloder

Opera, por que acreditar neste navegador?

Como desenvolver web sempre tive preferência pelo Firefox no início da minha carreira. A minha preferência nunca foi pessoal mas sim profissional, o Firefox sempre teve addons melhores que o Chrome, sempre foi mais rápido em vários quesitos e sempre teve uma vasta gama de ferramentas para desenvolvedores WEB.

O Google percebeu isso e imediatamente criou ferramentas semelhantes para o Chrome e logo acabei abandonando o Firefox. O fato de usar uma conta do GMail e ser um usuário Android pesou na minha decisão em abandonar o Firefox para sempre.

Também já fui usuário do Opera, mas apenas para navegação, nunca para desenvolver. Mas hoje, o Opera trás a mesma suíte de inspeção de elementos que o Chrome, o que torna mais agradável os meus testes.

O Opera de antigamente…

Criado em 1996, o Opera teve seu pico de popularidade em meados de 2005, um navegador veloz e muito eficiente no que se propunha fazer. Porém, desde 2010 este navegador perdeu a sua força.

Envolvido em diversos problemas de segurança o Opera passou a ser desprezado pelos internautas.

Talvez o grande maior problema de segurança nem seja culpa da própria Opera. Opera sempre foi gratuito e sempre utilizou de diversas mirrors (servidores de download) para disponibilizar o download para seus usuários. Ocorre que, alguns crackers perceberam que se podia colocar instalações falsas do Opera na internet para conseguir alavancar novos alvos.

Era muito comum baixar um instalador do Opera e vir um vírus de brinde, ou um backdoor, ou um trojan qualquer. Conclusão… adeus Opera e essa prática infelizmente existe até hoje.

O alvo da vez é o Chromium, um software open-source que também está sendo modificado e instalado sem permissão em diversos computadores, muitas destas modificações são maliciosas, um navegador que não recomendo.

Para resolver este problema (talvez resolvido tarde demais), a equipe do Opera criou um instalador on-line, onde este instalador se conectava somente em servidores confiáveis da Opera para finalização do download. Ideia tão boa que foi copiada pela Google no seu Chrome.

O Opera hoje

O Opera hoje trás um novo conceito de navegação, tanto para celulares como para desktop. Vamos começar pelos celulares.

Android

Na Play Store é possível encontrar duas versões estáveis do Opera, a versão Mini e a versão Browser.

operagoogleplay

A versão mini é surpreendente. Ele consegue fornecer uma navegação regular mesmo em ambientes com grande deficiência de conexão, um Wi-Fi público por exemplo.

Essa façanha somente é possível porque o Opera Mini busca nos servidores da própria Opera o cache das páginas que deseja navegar. De certa forma, isso reduz em até 30% o volume de tráfego de dados e todo o conteúdo é compressado para tornar a navegação ainda mais rápida. Excelente para quem sempre faz uso de internet móvel.

Abandone agora mesmo o navegador padrão do Android ou o Google Chrome.

Minha dica pode parecer radical, mas experimente. O Opera Mini consome bem menos tráfego, é bem mais rápido, fácil de navegar (inclusive anonimamente) e o mais legal, você pode substituir o aplicativo do Facebook pelo Opera.

O Opera também possui o serviço de notificações do Facebook, ou seja, ele faz exatamente o que o app do Face faz, mas com a vantagem de gastar menos dados e menos bateria.

Já a versão Browser é mais completa e oferece mais recursos. Ele possui o mesmo desempenho do navegador instalado em seu computador. Para quem normalmente navega em conexões Wi-Fi o Opera é mais interessante.

Ambos possuem o recurso Opera Turbo que promete reduzir ainda mais o seu tráfego de dados, em até 50% em alguns casos.

Outra coisa bem legal é o bloqueio automática de anúncios, não sendo necessário instalar qualquer outro plugin. Todos sabem a chatice de estar navegando na Internet e de repende, PAM! aparece uma maldita propaganda…

Opera no PC ou notebook.

O Opera no PC também é bem eficiente, além de consumir menos memória que o Chrome e Firefox também apresenta um desempenho melhorado no carregamento das páginas.

Além de interpretar o HTML 5 com maestria (não perdendo em nada para o Chrome) ele também trás o recurso Opera Turbo e Battery Saver (Economia de Energia) para notebooks;

opera

 

veja no vídeo a diferença;

Em notebooks o Opera também consome menos bateria do que seus concorrentes mas o mais legal é o serviço de VPN. Porém o serviço de VPN não pode operar junto com o Opera Turbo.

A ideia de usar VPN é tornar sua navegação mais segura e mais anônima.

opera-vpn

Seu sistema de VPN e seu serviço de compresão de dados existente no Opera Turba também oferecem uma segurança extra contra pragas da internet pois tudo também passa pelos antivírus e antimalware da Opera.

Teoria da conspiração

Ainda assim, com tanta coisa boa existente no Opera, há quem não coloque a mão no fogo por ele, afinal, não é difícil de imaginar que se o serviço de VPN e Opera Turbo passam pelos servidores do Opera, é obvio que a sua navegação está sendo monitorada. Mas o que tem demais nisso?

O Opera não é open-source e nunca expôs um trecho de código se quer o que deixa muita gente com o pé atrás.

Mas… se pensarmos que o Chrome também não open-source, que é nativo no Android, devemos então ficar ainda mais com o pé atrás com a Google do que o Opera.

Deixe seu comentário